quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Um Novo Espírito



O caminho do Triênio Oblato nos convida, neste segundo ano, a nos deixarmos conduzir por um novo sopro de vida. “Um Novo Espírito: a Formação como processo que dura toda a vida” é o tema que nos acompanhará, com a reflexão sobre o Voto de Pobreza. A promessa de um novo espírito vem do próprio Deus (Ez 36,26) e queremos acolher este dom em nossas vidas.

Assim como Jesus formou seus discípulos para enviá-los no anúncio da Boa Nova, nós também queremos formar-nos e converter-nos para crescer como pessoas e cristãos, a caminho da santidade. Queremos viver um novo espírito como padres e irmãos, leigos associados e juventudes no carisma OMI, crescendo na fé e no amor a Jesus. 

Afinal, “o fundamento de toda formação é o amor a Jesus Cristo. Nesta firme base, os jovens Oblatos serão capazes de se doar para a vida e, portanto, de se preparar seriamente”, dizia Santo Eugênio. Assim, qualquer tipo de formação cristã, que não aponte para Jesus Cristo como centro da vida é uma formação vazia e sem sentido.

A formação deve nos fazer crescer no amor a Jesus, mas também deve nos ajudar a desenvolver como pessoas, em nossa humanidade. Por isso, a Constituição 47 diz: “A formação é um processo que visa ao crescimento integral da pessoa e dura toda a vida. Ela nos possibilita a aceitar-nos como somos, e a transformarmo-nos nas pessoas a que somos chamados a ser. A formação nos envolve numa sempre constante conversão ao Evangelho, e na prontidão para aprender e mudar em resposta a novas exigências”.

Pe. Louis Lougen, OMI, nosso Superior Geral, comenta que Santo Eugênio faz um convite profundo à conversão, porque acreditava que se um grupo de pessoas tivessem a intenção de se formarem sob a graça de Deus – transformação – e fossem profundamente conscientes de que para pregar o Evangelho eles mesmos precisariam renovar-se, então se produziria um significativo despertar da fé do povo. 

Dessa forma, os frutos da missão nascem a partir da pessoa que se deixa formar pelo Espírito de Deus, pois “a vida mesma daquele que evangeliza se converte na melhor proclamação que se poderia fazer do Evangelho”.
 
Como religiosos que somos, neste ano dedicado à Vida Consagrada na Igreja, queremos dar passos de crescimento, tornando nossa vida mais enraizada na vivência da perfeita caridade à qual somos chamados. 

O Papa Francisco destacou que a formação é uma obra artesanal e não um trabalho de policiamento: “O objetivo é formar religiosos que tenham um coração terno e não ácido como vinagre”.

Que Deus nos dê a coragem de nos deixarmos ser formados pelos seus divinos ensinamentos, ser moldados como barro nas mãos do oleiro, porque todos somos obras das mãos dEle (Is 64,8). Que o Senhor renove em nós um espírito firme, decidido e generoso (Sl 50,10). 

Desejamos a você um abençoado ano de 2015, conduzido por um novo espírito!


Pe. Patrick Oliveira Urias, OMI